Escolha uma Página

O que é?

Câncer do intestino grosso, ou colorretal, significa a presença de tumor maligno em alguma parte do intestino grosso (cólon ou reto). O cólon tem como função a absorção de água e nutrientes dos alimentos ingeridos, enquanto o reto funciona como um reservatório de fezes, que serão eliminadas pelo ânus.
O câncer colorretal é o 5º mais comum no Brasil, e a maior parte dos diagnósticos é realizada em pessoas com idades entre 50 e 70 anos. Em alguns pacientes portadores de alterações genéticas, o câncer pode ocorrer antes dos 50 anos. O sexo feminino é discretamente mais afetado do que o masculino. O melhor prognóstico do câncer de intestino grosso está relacionado à prevenção e ao seu diagnóstico em fases iniciais.

    Fatores de Risco

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer colorretal são a dieta rica em gorduras e pobre em substâncias com fibras, o sedentarismo (ou falta de exercícios físicos), a obesidade e o tabagismo. Sendo assim, os hábitos que previnem o surgimento do câncer do intestino grosso são uma dieta pobre em gordura e rica em frutas, verduras e cereais, o abandono do tabagismo, a realização regular de exercícios físicos e a manutenção do peso ideal.
Outros fatores de risco para o câncer colorretal são a história familiar deste tipo de câncer, principalmente de parentes próximos (avós, pais, tios, primos de 1º grau e irmãos), a presença de doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn e retocolite ulcerativa), além de doenças genéticas que causam o câncer de intestino grosso, como a polipose familiar adenomatosa e o câncer colorretal hereditário não polipóide (HNPCC).

    Como ocorre o câncer colorretal?

O desenvolvimento do câncer colorretal ocorre de duas formas: através do surgimento de lesões pré-malignas conhecidas como pólipos intestinais, ou através de alterações genéticas e hereditárias.
O câncer que surge a partir dos pólipos intestinais é o mais comum (85% dos casos), sendo mais freqüente no lado esquerdo do cólon (sigmóide) e no reto, e acomete pessoas acima dos 50 anos. Os pólipos são lesões benignas, em geral assintomáticas, mas que têm um potencial para a malignização, ou seja, podem se tornar câncer com o passar do tempo. O aparecimento dos pólipos deve estar relacionado aos fatores ambientais, como dieta e tabagismo. Desta forma, a melhor prevenção para o câncer colorretal é a retirada destes pólipos através de endoscopia digestiva baixa (colonoscopia). Atualmente, a colonoscopia preventiva do câncer, com o objetivo de diagnosticar e retirar estes pólipos intestinais, e está indicada para todas as pessoas acima de 50 anos.
Aproximadamente 15% dos tumores malignos do intestino grosso estão relacionados à hereditariedade, ou seja, estão presentes em pessoas com alterações genéticas, e são mais comuns em pacientes abaixo dos 50 anos. As duas doenças mais comuns são a polipose adenomatosa familiar (PAF) e o câncer colorretal hereditário não polipóide (HNPCC). A polipose adenomatosa familiar se caracteriza pelo surgimento de milhares de pólipos pré-malignos no intestino grosso devido a um erro genético. Como estes pólipos surgem na infância e adolescência, a chance de um dos pólipos se tornar um tumor de intestino durante a vida do paciente é de 100%. Devido a isto, estes pacientes devem ser submetidos à retirada de todo intestino grosso como forma de prevenção ao câncer.
O câncer colorretal não polipóide hereditário tem como característica não apresentar uma lesão pré-maligna (pólipo), ou seja, surge do tecido normal do intestino. Aproximadamente 70% das pessoas que apresentam esta alteração genética desenvolverão câncer colorretal durante as suas vidas. Este tipo de tumor ocorre mais comumente no lado direito do cólon, tem um crescimento rápido, e pode estar relacionado com tumores de outros órgãos, como útero, ovários, estômago, rins e intestino delgado. O diagnóstico preciso desta doença é realizado através de estudos genéticos, e o paciente deve ser submetido a colonoscopia anualmente.

    Sintomas

Em alguns casos, o câncer colorretal não apresenta sintomas, o que reforça ainda mais a necessidade de prevenção. Os casos em que os sintomas são muito evidentes, em geral, o tumor já pode estar em fase avançada, com chances menores de cura.
Os sintomas mais comuns são a alteração do hábito intestinal, como a diarréia e a constipação, a alteração na forma das fezes (afiladas ou em “bolinhas”), a presença de sangue vivo ou escuro (coagulado) com as fezes, dor abdominal (principalmente cólica) e distensão abdominal, presença de muco (“catarro”) nas fezes, anemia e perda de peso.
Como se observa, os sintomas do câncer de intestino grosso são muito comuns, e não devem ser banalizados. Desta forma, os pacientes devem sempre procurar um médico para orientação. Deve-se também lembrar de que nem todo sangramento anal ou nas fezes é causado por hemorróidas.

    Prevenção e Diagnóstico

Alguns exames são realizados para a prevenção e diagnóstico do câncer colorretal, tais como a pesquisa de sangue oculto nas fezes, o enema opaco, a retossigmoidoscopia e a colonoscopia.
A pesquisa de sangue oculto nas fezes se refere ao diagnóstico microscópico de sangue nas fezes do paciente, mesmo que o paciente não tenha percebido o sangramento. Nos casos com resultado positivo, o paciente deve ser encaminhado para a colonoscopia.
O enema opaco é um método radiográfico (Raios X) em que se observa o intestino grosso após a introdução de contraste no intestino. Este método é pouco realizado para o diagnóstico de tumores de intestino, já que só observa lesões maiores e não permite a realização de biópsias.
A retossigmoidoscopia é um exame endoscópico em que se observa o reto e o cólon sigmóide, locais do intestino grosso mais comumente afetados pelo câncer colorretal (70%), e é muito utilizado em check-ups. No entanto, devido ao aumento do número de casos de câncer em outros locais do intestino, este exame tem valor limitado atualmente. Mais do que isto, um resultado normal de retossigmoidoscopia não exclui de forma alguma a possibilidade de câncer em outro segmento do intestino grosso.
A colonoscopia é o melhor exame para o diagnóstico e acompanhamento dos pacientes com câncer colorretal, já que permite o exame de todo o intestino grosso através de endoscopia. Outra vantagem da colonoscopia é a possibilidade de diagnosticar e, ao mesmo tempo, ressecar os pólipos e outras lesões do intestino que poderiam se transformar em tumores malignos. Em alguns casos, a colonoscopia consegue retirar até mesmo pólipos que já apresentam características malignas, mas que ainda não se aprofundaram na parede do intestino, ou seja, trata o tumor maligno do intestino grosso no estágio mais inicial.
O antígeno carcinoembrionário (CEA) é uma substância presente no sangue em níveis muito baixos. No entanto, nos pacientes com câncer de intestino grosso, principalmente nas fases mais avançadas, o CEA se apresenta aumentado.

    Estadiamento

O estadiamento do câncer de intestino grosso é baseado no grau de penetração da parede do intestino pelo tumor, na presença ou não de gânglios linfáticos comprometidos e na presença de metástase (tumor em órgãos distantes). Quanto menos a parede do intestino for penetrada pelo tumor, menor é a possibilidade de invasão dos gânglios linfáticos e de metástases, e maior é a chance de cura. Os índices de cura para o câncer colorretal são maiores que 90% quando o tumor é diagnosticado na sua fase inicial. No entanto, quando há o comprometimento dos gânglios linfáticos, essa taxa cai para 50%.
Os principais órgãos comprometidos por metástases de tumores colorretais são o fígado (principal) e o pulmão. O diagnóstico destas metástases é realizado através de exames de imagem, como ultra-sonografia, radiografia (Raios-X), tomografia computadorizada e ressonância magnética.

    Tratamento

O tratamento para o câncer colorretal consiste na ressecção (retirada) do tumor, através de cirurgia. Durante a cirurgia, o tumor é retirado junto com os gânglios linfáticos próximos a ele, e que podem estar comprometidos. Em seguida, o intestino é reconstruído, unindo-se os segmentos que estavam próximos ao tumor. Felizmente, o organismo se adapta muito bem à retirada desta parte do intestino, e o seu funcionamento volta ao normal em alguns meses.
Nos casos de tumores de reto, quando muito próximos ao ânus, após ressecado o tumor e reconstruído o trânsito intestinal, realiza-se uma colostomia de proteção. Colostomia é o nome dado à exteriorização do intestino grosso na parede abdominal, sendo que as fezes são coletadas em uma pequena bolsa fixada na pele do paciente. A colostomia de proteção é temporária, e tem como objetivo permitir uma melhor cicatrização do reto.
Nos pacientes em que a musculatura do ânus foi comprometida pelo tumor do reto, deve-se realizar a retirada do reto e de todo o canal anal. Desta forma, o paciente necessitará conviver com uma colostomia definitiva. Deve-se lembrar, no entanto, que com o avanço das técnicas cirúrgicas e dos tratamentos adjuvantes (quimioterapia e radioterapia), este procedimento é cada vez menos comum.
A cirurgia também tem como objetivo a identificação e tratamento de metástases, principalmente as localizadas no fígado.

    Quimioterapia e Radioterapia

A cirurgia é a principal forma de tratamento para o câncer colorretal. No entanto, em alguns casos há a presença microscópica de tumor, e que não é completamente ressecada durante a cirurgia. Nestes casos, deve-se realizar a quimioterapia (cólon) ou a quimio/radioterapia (reto). Sabe-se hoje, que estes tratamentos aumentam a chance de cura dos pacientes em que o tumor não está apenas localizado na parede do intestino, e já atingiu os gânglios linfáticos ou outros órgãos.
Nos tumores de cólon, a quimioterapia está indicada após a cirurgia, e é realizada naqueles pacientes em que houve comprometimento dos gânglios linfáticos, metástase ou cirurgia de emergência devido ao tumor intestinal (obstrução e perfuração do tumor).
Nos tumores de reto, realiza-se quimioterapia associada à radioterapia, e estes tratamentos podem ser realizados antes ou após a cirurgia. Quando realizados antes da cirurgia, têm como objetivo diminuir o tamanho do tumor, reduzir a extensão do comprometimento dos gânglios linfáticos e facilitar a cirurgia. Após a cirurgia, tem as mesmas indicações que o tratamento para o câncer de cólon.

Por: Dr. Fernando Valério.

Publicado em: 01/07/2016

Fonte: http://www.drfernandovalerio.com.br/cancer_de_intestino.htm