Escolha uma Página

O que é cirrose hepática?

A cirrose hepática é o resultado de um processocrônico de destruição das células hepáticas, que ocorre de maneira difusa, com formação de cicatrizes e nódulos levando à necrose do órgão.

É considerada uma doença terminal do fígado. Apesar de não ser um câncer, esta condição pode predispor ao aparecimento de tumores hepáticos, como ohepatocarcinoma, e de tumores das vias biliares, como o colangiocarcinoma.

Todo portador de cirrose deve fazer exames periódicos para detectar precocemente as complicações dessa doença.

Quais são as causas da cirrose hepática?

A cirrose hepática costuma ser considerada uma doença de alcoólatras, no entanto todas as condições que levam a uma inflamação crônica do fígado (alcoólicas ou não) podem resultar nessa patologia. Infelizmente em cerca de 30% dos cirróticos, a causa da doença não é estabelecida.

A possibilidade de o álcool causar cirrose depende do tempo de uso, da quantidade ingerida e da predisposição genética.

Outros fatores que podem levar à cirrose são:

  • Hepatites B e C.
  • Doenças metabólicas.
  • Distúrbios biliares ou vasculares.
  • Insuficiência congênita dos ductos intrahepáticos.
  • Intoxicações por drogas ou produtos químicos.
  • Esteatohepatite não alcoólica.
  • Hepatites autoimunes, etc.

Há ainda uma cirrose dita criptogênica, de causa desconhecida.

Todas as diferentes causas conduzem ao mesmo processo final.

Quais são os sinais e sintomas da cirrose hepática?

Na fase inicial, a ausência de sinais ou sintomas dificultam o diagnóstico precoce. Com a evolução da doença, há uma falência hepática progressiva que pode levar a consequências em outros órgãos.

Quando os sinais e sintomas aparecem, o prognóstico já costuma ser severo e as implicações gerais para a saúde do paciente são comprometedoras.

Em fases mais avançadas da doença, o fígado apresenta-se endurecido e aumentado ao exame físico e outros sinais e sintomas vão aparecendo, tais como:desnutrição, hematomas, aranhas vasculares na pele, sangramentos gengivais,icterícia, ascite, hemorragias digestivas, encefalopatia e, por fim, coma.

Como o médico diagnostica a cirrose hepática?

Dados indiretos, resultados de exames laboratoriais que avaliam a função hepáticae exames de imagem como a ultrassonografia, a tomografia computadorizada, aressonância magnética e a colangiografia endoscópica ajudam a definir odiagnóstico.

O diagnóstico de certeza é dado pela biópsia hepática, que pode ser feita utilizando-se técnicas diferentes, conforme o caso.

Como é o tratamento da cirrose hepática?

Não há uma cura específica para a cirrose hepática. As lesões já estabelecidas são irreversíveis, mas pode-se tentar deter ou tornar mais lenta a progressão da doença.

Quando é possível afastar o agente causal (álcool, vírus, etc.), pode ocorrer algum grau de melhoria.

O tratamento definitivo da cirrose hepática é o transplante de fígado.

Como o transplante só está indicado em casos muito graves, durante todo o tempo o paciente deve ser acompanhado pelo médico para detectar precocemente as complicações possíveis como desnutrição, ascite, varizesesofagianas, tumores, etc. e para que sejam tomadas as medidas cabíveis em cada caso.

Como evolui a cirrose hepática?

É possível que mais de dois terços do fígado normal sejam destruídos e ainda assim a porção restante assuma todas as funções, o que permite que a doença evolua durante anos.

No entanto, ela pode também atingir graus incompatíveis com a vida e resultar na morte, sobretudo se o agente causal não puder ser afastado.

Por: Site AbcMEd.

Publicado em: 26/08/2016.

Fonte:http://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e doencas/289905/cirrose+hepatica+tem+cura.htm